25 coisas para fazer antes dos 25

Em setembro do ano que vem eu completo ¼ de século! Eu sei, falta muito tempo. Mas percebi que já tenho 24 anos e, às vezes, me acomodo tanto na vida que deixo de fazer coisas que gostaria ou que são um pequeno desafio pessoal para mim. Não coisas grandes, mas sim coisas pequenas do dia-a-dia que deixo de lado por desânimo ou preguiça.

Então pensei: “talvez, se eu fizer uma lista, não deixe tudo de lado”. Não sei se vou conseguir fazer tudo isso, mas quem sabe? São apenas metas. Dizem que a gente tem que mirar a lua para alcançar as estrelas. Eu só sei que espero alcançar alguma coisa durante esta busca, nem que seja eu mesma.

    1. Escrever um livro narrado em terceira-pessoa: não significa que eu queira publicar esse livro, só quero escrever – ou tentar -, pois seria um pequeno desafio para mim;
    2. Publicar meu quarto livro: o livro já está escrito e queria muito publicá-lo até a Bienal do Livro do Rio de Janeiro – que calha de ser no mesmo mês que meu aniversário de 25 anos;
    3. Ler 100 livros: Não é exatamente um desafio, já que leio muito, mas eu gosto de ter uma meta de leitura;
    4. Escrever sobre todos os livros que li durante esse período: eu costumava escrever sobre todos os livros que lia, sem exceção, o que me deixava feliz e me ajudava a lembrar das leituras. Como um diário, sabe? Mas fui perdendo o hábito. Não precisa ser necessariamente resenha, mas algum comentário no Skoob já serve;
    5. Escrever crônicas: é uma coisa que gosto muito, mas parece que a inspiração fugiu. Gostaria de retomar o hábito;
    6. Ir para mais um país da América Latina: Já fui a Argentina e ao Paraguai. Morro de vontade de conhecer o Chile e o Uruguai, queria ir a algum desses países durante esse próximo ano;
    7. Fazer uma viagem de lazer sozinha: pode ser um fim de semana na Serra, não me importo. Queria viajar por alguns dias na minha própria companhia, sem ser por motivos de trabalho;
    8. Visitar outras cidades do Rio de Janeiro que ainda não conheço ou que fui só uma vez: tem cidades no meu estado que são lindas e eu nunca fui, ou fui muito pouco. Quero passear em algumas delas;
    9. Visitar pelo menos cinco museus diferentes: amo museus e adoro uma boa desculpa para ir neles;
    10. Fazer uma festa do pijama: quando eu era adolescente, isso acontecia muito e eu adorava. Mesmo que seja eu e só mais uma amiga, queria passar uma madrugada inteira fofocando e comendo pipoca com brigadeiro;
    11. Enviar cartões de Natal: eu amo receber cartões de Natal, então esse ano queria mandar para as pessoas que eu amo;
    12. Assistir a um filme por semana: tem muitos filmes que eu gostaria de ver e nunca assisti. Quero ir mais ao cinema também;
    13. Me matricular na aula de canto: eu adoro cantar e sei que não faço isso mal. Mas, como muitas coisas em minha vida, foi um hábito que acabei deixando de lado. Queria voltar a fazer aulas;
    14. Gravar um vídeo cantando para perder a vergonha: como falei ali em cima, eu amo cantar. Mas uma vez foram idiotas comigo na igreja e eu perdi toda a vontade de cantar em público. Sempre quis gravar um vídeo cantando alguma coisa, mas morro de vergonha;
    15. Planejar uma festa de aniversário temática: faz tempo que não comemoro meu aniversário, mas dessa vez queria uma festinha com algum tema que tenha a ver comigo, como livros ou super-heróis;
    16. Passar um mês sem beber refrigerante: na verdade, sem beber Coca-Cola, que é o único refrigerante que tomo e por puro vício;
    17. Passar um mês sem comer hambúrguer: hambúrguer é minha comida favorita. Sou extremamente viciada e como MUITO, ainda que saiba que não é exatamente nutritivo pra mim. Queria fazer um teste para ver se consigo sobreviver;
    18. Fazer uma pós-graduação em Língua Portuguesa ou Tradução: Fiz uma pós-graduação que, no fim das contas, me dei conta de que não usaria muito. Tenho vontade de fazer mestrado, mas não agora. Por isso queria fazer uma pós em Língua Portuguesa ou Tradução, para me aprofundar mais no assunto;
    19. Montar uma jarra das “coisas boas”: tenho muita dificuldade em focar no que é bom. Queria criar o hábito de anotar algo de bom todo dia e colocar numa jarra. Vi isso no Tumblr e achei uma boa ideia;
    20. Sair para jantar sozinha em um bom restaurante: eu amo sair para comer sozinha. Queria escolher um restaurante bem legal e ir jantar, sozinha, aproveitando da entrada à sobremesa, sem culpa;
    21. Inventar menos desculpas e aceitar mais convites: tudo bem que ninguém me convida para nada, mas, quando o fazem, eu sempre arrumo um jeito de pular fora da ideia, por pura preguiça de sair de casa. Vou tentar fazer menos isso;
    22. Praticar atividades físicas: não sei quando vou poder cumprir esse item, já que tenho uma cirurgia no joelho programada e isso vai me deixar de molho por muito tempo, assim como sem poder praticar algumas atividades. Mas queria fazer alguma coisa. Ainda que eu não seja muito fã de me mexer, eu sei que faz bem para mim e me sinto menos indisposta quando faço essas coisas;
    23. Jogar algum jogo com meu pai, uma vez por mês: antigamente eu e meu pai jogávamos muito dominó e dama, mas com o tempo eu fiquei com preguiça. Era divertido;
    24. Andar de montanha-russa: eu tenho PAVOR de altura. Consequentemente, muito medo de montanha-russa. Queria desafiar isso ao menos uma vez;
    25. Aprender a fazer delineador gatinho: é questão de honra. Como eu cheguei até hoje sem conseguir fazer isso?

O Acordo

Acho que finalmente encontrei um new adult que me agradou de verdade. Em todos os outros eu sempre costumava ter um “porém” ou algo do tipo, mas eu simplesmente me apaixonei por “O acordo”, da Elle Kennedy.

Hannah é uma aluna de Música, muito competente. Sua meta de vida é conseguir tirar seus pais de sua cidade natal, um lugar que ela odeia e para onde não consegue voltar por causa de seu passado. Garrett é um jogador de hóquei no time da faculdade, estudante de História, filho de um famoso atleta. Após uma nota ruim em uma matéria, pede ajuda de Hannah, mas a garota hesita em ajudá-lo. Até que eles fazem um acordo: em troca das aulas, ele vai fazer com que o menino por quem Hannah tem uma paixonite a perceba. Ela aceita o acordo, mas de repente os dois estão mais envolvidos um com o outro do que gostariam de admitir. Continuar lendo

Sob o mesmo teto

“Sob o mesmo teto” teve mais de dois milhões de leituras no Wattpad e agora sua versão física inaugura a Duplo Sentido Editorial.

Esse é o segundo livro que leio da Bruna Fontes, que também é autora de “La La Land”. Calíope Medina tem cinco irmãos e uma mãe que está no terceiro casamento. Como se não bastasse, ela e a família se mudam para a cidade de Assunção, no interior do Paraná, para morar na casa do Marido Nº 3, que traz consigo cinco filhos – ainda que um deles more no Rio de Janeiro.

Com tantas mudanças em sua vida, Cali conhece João em seu primeiro dia na cidade e a conexão é instantânea. Mas é só à noite que ela percebe que ele é um dos seus irmãos “postiços”. Mas quanto mais os dois tentam se afastar da atração que estão sentindo, mais o mundo os empurra um para o outro. Continuar lendo

Cabeças de Ferro

Carol Sabar é uma das minhas autoras nacionais favoritas, autora dos livros “Como (quase) namorei Robert Pattinson” e “Azar o seu!”. “Cabeças de Ferro” é seu mais novo romance lançado pela Editora Jangada, seguindo uma linha um pouco diferente dos dois primeiros publicados por ela.

Malu foi aprovada em primeiro lugar no vestibular de Engenharia de Produção na Universidade de Ponto Sem Nó, a melhor do país. Depois de passar um semestre no exterior aperfeiçoando a língua, ela chega na cidadezinha no interior de Minas Gerais para começar sua vida universitária. Mas, para horror de Malu, a antiga tradição dos Cabeças de Ferro – como os alunos são chamados – dita que o veterano que foi aprovado em primeiro lugar no semestre anterior seja aquele que vai aplicar o trote no primeiro colocado do semestre seguinte, e assim por diante. Só que o primeiro colocado no vestibular era ninguém mais, ninguém menos, que Arthur Cantisani, seu antigo rival do colégio.

Mas Arthur faz algo inesperado: ao invés de jogar a garrafa com o líquido do trote na cabeça de Malu, ele joga em Mariana, a caloura que ficou em segundo lugar. A menina sofre um choque anafilático, todo mundo desaparece e sobra para Malu e Arthur prestarem os primeiros socorros. Mas ao descobrirem que aquela garrafa que era destinada a Malu era diferente das outras, o casal de inimigos acaba se juntando para desvendar quem sabotou o trote, tentou causar mal a Malu e prejudicar Arthur. Continuar lendo

Younger

“Younger” é o livro que inspirou a série de TV de mesmo nome com Hilary Duff, uma das minhas favoritas. O livro é bem diferente da série, mas também é uma história divertida de acompanhar – embora dessa vez eu precise assumir que achei a adaptação melhor que o original.

Alice acabou de se separar do marido e sua filha está fazendo intercâmbio. Sua vida saiu completamente dos trilhos e ela não consegue um emprego de jeito nenhum. Seu sonho era voltar a trabalhar no mercado editorial, mas parece que todo mundo só quer contratar recém-formadas com roupas descoladas e cortes de cabelo diferentes. Na véspera do ano-novo, sua melhor amiga faz uma mudança em seu visual. Maggie tinge os fios brancos de Alice, muda um pouquinho seu jeito de se vestir e, durante uma noitada em um bar em Nova York, ela descobre que seu novo visual a deixa mais jovem.

Depois de mentir a idade para um garoto que poderia ser seu filho e ele acreditar, Alice resolve mergulhar naquela loucura. Muda algumas informações, omite outras e consegue um emprego em uma editora, onde todo mundo acha que ela é bem mais jovem do que realmente é. Claro que isso não vai dar certo! Continuar lendo

Coração Perverso

“Coração Perverso” é um spin-off de “Meu Romeu” e “Minha Julieta”, romances new adult publicados pela Globo Alt, mas você não precisa ter lido nenhum dos dois para entender essa história.

Elissa Holt é diretora de palco na Broadway. Ela é excelente nos bastidores e sabe fazer a mágica do teatro acontecer. Sua carreira bem-sucedida lhe rendeu bons frutos e, apesar de jovem, é uma profissional muito respeitada. Ela só tem uma regra: nunca, jamais, se relacionar com atores – eles não são confiáveis.

Um dos atores que a ajudou a confirmar sua tese é Liam Quinn. Eles tiveram um breve caso seis anos antes e a história acabou mal. Mas agora Liam é um famoso astro de cinema e Elissa precisará trabalhar com ele mais uma vez em sua nova produção. Quando revê Liam, seu passado volta a atormentá-la e fica cada vez mais difícil seguir o script.

Eu já tentei ler “Meu Romeu” uma vez e acabei abandonando. A história de “Coração Perverso” tem o mesmo universo como pano de fundo, mas Liam é um mocinho bem mais legal que Ethan – ao menos na minha opinião. A narrativa alterna entre o passado e o presente, sempre sob o ponto de vista de Elissa.

A história é previsível. Logo no começo, quando ela recorda de como foi o breve relacionamento deles, eu já saquei o que tinha acontecido para ele ter se afastado dela. Ainda assim, é divertido de acompanhar e os protagonistas tem uma química muito grande, narrada em cenas bem vívidas pela autora. O carisma dos dois é o que te faz avançar página após página, torcendo logo por quando eles vão ficar juntos.

As personagens coadjuvantes chamam atenção. Angel, noiva de Liam, e o melhor amigo da Elissa são um caso à parte. Tem um vilão bem “novela mexicana”, mas tudo é relevado por ser uma história super agradável de se acompanhar. Para quem curte o gênero, recomendo.

A Febre

Que livro maravilhoso! Sabem aquelas histórias que sentimos vontade que todo mundo leia para discutir a respeito? Para mim, “A Febre” é uma delas. Sou fascinada por thrillers e gostei muito deste, que acompanha o dia a dia de uma escola onde coisas estranhas estão acontecendo. Uma das alunas teve uma convulsão e foi hospitalizada – e em seguida, uma reação em cadeia acontece. Várias garotas começam a passar mal, apresentar sintomas esquisitos e autoridades e envolvidos tentam descobrir o que está acontecendo.

No centro de toda essa história está Deenie. Ela quer descobrir o que está acontecendo e por qual motivo ela é uma das únicas pessoas que não foi afetada. Há uma série de teorias da conspiração que envolvem desde vacinas para HPV até mergulho em um lago contaminado. O pânico se alastra e a história fica muito maior do que deveria. Mas o que será que está acontecendo em Dryden?

Não consegui largar o livro até descobrir exatamente o que era. Eu já linha lido por alto sobre o que era a temática principal em um post no blog da Intrínseca, mas acho que até mesmo isso pode atrapalhar a experiência de leitura. Durante muitas páginas fiquei me perguntando por qual caminho a autora seguiria: sobrenatural? Explicação lógica? Continuar lendo

Kindle Unlimited: vale a pena assinar?

Eu sempre comento no Twitter sobre os livros que leio, muitos deles através do Kindle Unlimited, um serviço da Amazon que é conhecido como a “Netflix dos livros”. Como muita gente me pergunta sobre o serviço, o que eu acho e se vale a pena, resolvi fazer um post grande com as dúvidas mais frequentes e, no final, falar um pouquinho sobre minha experiência. Espalhem o post por aí para que mais pessoas que tenham dúvidas possam saná-las!

Como funciona?

Kindle Unlimited é um serviço de assinatura mensal, onde você paga o valor de R$19,90 por mês e pode pegar até dez livros diferentes emprestados ao mesmo tempo. O e-book fica no seu dispositivo até que você resolva devolvê-lo para a Amazon.

O livro não é seu, é apenas um empréstimo. É como ter a carteirinha de uma biblioteca, só que, nesse caso, virtual. Com uma só conta você pode fazer até dez empréstimos ao mesmo tempo, o que não significa que só possa pegar esse número por mês. Eu geralmente pego os dez de uma vez e, à medida que vou lendo, devolvo para a Amazon e pego outro emprestado no lugar. Continuar lendo

Boa Noite

Pam Gonçalves ficou conhecida na internet por causa do seu blog, Garota It, e posteriormente seu canal do YouTube, onde fala sobre suas leituras. Em 2016, ela estreou como escritora com seu conto no livro “O amor nos tempos de #likes”. O romance “Boa noite” é seu primeiro livro solo, lançado pela Galera Record.

Alina é caloura de Engenharia da Computação. Antes da faculdade, o fato de ser tímida e inteligente não lhe rendeu muitos amigos. Mas agora ela espera que tudo seja diferente. Ela mudou de cidade, entrou na faculdade e agora mora em uma república. Alina está pronta para se reinventar – novos amigos, festas e objetivos. Mas uma página de fofocas sobre os alunos da universidade é criada, uma nova droga rola nas festas e Alina é sugada, assim como outras alunas, para o centro de uma história que qualquer um gostaria de evitar.

Em seu romance de estreia, Pam Gonçalves conseguiu traduzir da melhor forma o que é ser jovem e amadurecer. Ela trata de temas sérios, como abuso sexual, mas de uma forma ágil e bem feita. A experiência da protagonista na universidade causa uma identificação bem mais próxima que os New Adult estrangeiros, onde os personagens geralmente lidam com uma realidade na universidade muito diferente da nossa. Continuar lendo

De Repente

Sempre amei uma boa história de uma garota comum que descobre fazer parte da realeza. Elas alimentam minha ideia de que um dia um parente distante vai aparecer na porta da minha casa dizendo que sou uma princesa perdida – ou só avisando que um familiar que nunca conheci deixou uma herança muito grande para mim. Como nenhuma dessas coisas vai acontecer, me contento com a ficção.

Samantha Rousseau nunca teve o mesmo sonho que eu, mas ela descobre que sua família faz parte de um ducado em um pequeno país chamado Lilaria. Seus antepassados fugiram para os Estados Unidos gerações antes, fugindo de uma guerra, mas a atual rainha quer reencontrar as ramificações perdidas da realeza. A jovem bióloga especialista em aves resolve se mudar para o país, onde possui propriedades, bens e, acima de tudo, pode oferecer um tratamento melhor para o pai com câncer.

Claro que no meio dessa história temos um príncipe – dessa vez, um de verdade – chamado Alex que vai balançar o coração da “duquesa americana”.

A história é fofa, romântica e previsível. E isso não é um problema. A escrita de Chase nos guia pela vida de Samantha, sem grandes intrigas políticas ou pessoas querendo puxar seu tapete agora que voltou para restabelecer seu título. Não há vilões na história, nem alguém tentando sabotá-la ou conspirações. Acho que senti um pouco de falta disso. A transição de Samantha de plebeia para integrante da realeza é tranquila, sem muitos percalços. Continuar lendo